segunda-feira, 8 de maio de 2017

RASGUE MINHAS NEURAS E ENVOLVA-ME

Meu amor, preste bem atenção nas coisas que não lhe digo, mas, que deixo soltas ao vento. Olhe bem, se prenda a todos os sinais de minha loucura. Não estranhe minhas birras e a forçação de barra. Te quero e não sei como falar, um dia talvez eu escreva, sou melhor nas linhas do que nos dizeres. Acontece que não sei me comportar diante de ti, perco as falas e os trejeitos. Viro criança, solto as feras, ao mesmo passo em que desejo ser mulher. Tua. Nua. Completamente.

Dance comigo. Aumente o volume e incomode os vizinhos. Me faça esquecer os surtos, enquanto arranca minha roupa e tira de mim essa inveja dos casais felizes que me atormentam diariamente no ônibus, no metrô, nas fotos, nas frentes dos motéis  de beira de estrada, caminhos de bêbados ou porta de estação de trem.

Me chama pra terminar um dia entre suas pernas, me provoque com suas tiradas irônicas, enfie um dedo de cada vez na minha boca. Sorria pra mim e me salve dessa vida puritana  sem álcool, sem coito, sem luxúria. Mesmo que não faça, fale de sexo pra mim. O dia inteiro. Me masturbe com suas palavras, diga que sou louca, faça algo do tipo. O que eu pedir. O que você mandar.

Entenda que mesmo que eu não abaixe a cabeça pra ninguém, não admita meus erros ou assuma minhas tolices, estou querendo há tempos me ajoelhar diante de ti e te engolir aos poucos. Devagar. Salivando. Obedecer suas ordens, ouvir as vozes do instinto e ser fluente nos seus olhares, sussuros e gemidos. Estou com uma tremenda vontade de transcrever sua respiração em meus toques, deixar que meus quadris largos sigam seu ritmo e te provoquem num grau de misericórdia. Arranque minhas neuras nas mordidas, faça com que meu sangue ferva nos tapas.

Lembre -se que sou cheia de não me encoste, no entanto imploro seu tato em cada milímetro do meu corpo. Quero poder gargalhar e beber contigo.  Sua fala estimula cada articulação minha, provoca toda contração e o relaxamento dos meus músculos. Basta pensar em ti. Me basta lembrar de nossas noites, que poderiam ser manhãs ou tardes. É diferente. Com você parece que pertenço a alguém, logo eu, que nunca me senti parte de nada.

Dá um sinal de que o tesão que me atormenta também te deixa sem dormir, também explode sua cabeça quando lembra das minhas antigas sandices. Finjo que sua falta não me abala, mas é só pra não te dar moral. A seca chegou aos extremos no meu reino e superou meu orgulho misto com teimosia. Já não aguento mais. Não tenho pra onde fugir.

Me enforque enquanto estiver dentro de mim, seja meu mestre  nesse jogo de submissão. Ate e desate minha coleira, use vendas, velas, enfie devagar cada pedacinho de sua língua, pau, alma, maldição. O que quiser.  Eu baixei a guarda, não adianta temer sua reação. Seus ímpetos me ganham, meu medo torna-se prazer no seu mundo.

Perdoa meus surtos infantis, já falei que não me concentro na sua presença. Eu viro bicho. Bicho com fome. Animal sedento não raciocina. Age. Ataca.

Envolva meus seios em suas mãos, não me deixe partir sem gozar. Mande em meus atos. Transforma meu dia. Me tira desse árido. É súplica. Desespero. Vontade. Beba goles de mim junto com suas doses mais fortes, arranque de minha insegurança os mais intensos orgasmos. Me chupa? Me beija? Me come? Dá carinho, eu só preciso um pedaço de atenção. Adormecer em seu abraço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário