domingo, 26 de outubro de 2014

TODO MUNDO PRECISA DE AO MENOS UMA FESTA NO INFERNO ACOMPANHADO DE SEUS DOIS DEMÔNIOS FAVORITOS

Eu tenho alguns demônios, dois deles estão comigo há anos. Juntos, nós três costumamos roubar a cena, não sou modesta, formamos um belo trio. Outras pessoas têm anjo da guarda, eu também tenho um, mas quem mais cuida de mim são esses dois seres enigmáticos.

Como eles são? Bom, ele é de estatura média, cabelos longos e cacheados e sua aparência lembra a de um adolescente. Pois é, mesmo em sua forma demoníaca ele não perde o ar de criança, crianças tem esse ar diabólico, compará-las com seres celestiais pra mim é um grande erro. Outra coisa nesse meu demoniozinho, que ele tem de sobra e eu não, é a paciência. Ele tem a missão de aguentar as piores coisas da vida: Duas mulheres. Ao mesmo tempo.

E ela? Ah, ela é uma coisa bem difícil de descrever. Enquanto ele tem a missão de ter paciência, ela tem a missão de testar o limite de todos nós. Eu disse que ela é uma coisa, né? Pois bem, é isso mesmo: Uma coisa! E quando assume sua verdadeira forma, ela vem pra matar e mata. Ela é uns 10 cm mais alta que eu, tem o corpo curvilíneo, olhar marcante, um belo par de seios, cintura fina, quadril largo, coxas grossas… Enfim, uma típica “demônia”, com cinismo inexplicável e habilidade de sobra pra fazer dançar um paraplégico. Quando saio com eles, por obrigação tenho de me montar diabolicamente também, eles pedem, e como facilmente mandam em mim, acabo obedecendo.

Saí de casa para encontrá-los, o horário combinado era às 21h30, e lá estava eu no ponto de encontro, esperando meus bonitos e imaginando se estava vestida do jeito que pediram. Afinal de contas, você não pode ir ao inferno de qualquer maneira. É um lugar importante, deve estar como manda o costume da casa.

Andei até o local, me equilibrando em saltos dignos de um travesti, torcendo pra que a chuva não estragasse meu cabelo, pensando na transparência da blusa e conferindo as unhas vermelhas a cada 10 segundos, pois esmalte descascado é de uma ofensa irreparável aos deuses. E aos demônios.

Por volta das 23h, sempre esse maldito horário, meus diabinhos chegaram. Ele veio com a camiseta de uma de minhas bandas favoritas, Kiss, que tem muito poder sobre mim, me domina facilmente. Ela também estava com saltos enormes, os dela eram vermelhos, vestia um corset preto em couro com um zíper frontal muito sugestivo. O cabelo tinha luzes que deixavam as linhas do rosto mais definidas, os olhos estavam bem delineados e um batom roxo que deixava sua boca maior e ainda mais bonita.

-Boa noite, amor. – Me cumprimentou o pequeno satanás dando um beijinho em minha testa.

 Em seguida a diabólica se aproximou:
- Amei seu sapato! Você está linda, vai me deixar maluca hoje. Mais do que o costume. Estou sentindo.

Sorri, mas deveria estar puta da vida pelo atraso deles. Perguntei aonde iríamos e ela me respondeu enquanto éramos guiadas por nosso garoto:

- Na programação de hoje temos Kiss e AC/DC, o diabo quer nos ver dançando. Quer que esses mortais idiotas lamentem ainda mais a vida de merda que levam. Exibicionismo é a palavra de ordem. Nada menos que isso fará sentido, nada menos será permitido. Ele nos prometeu uma surpresa também, nos resta aguardar…

A curiosidade, o medo, e a queda por exposições estavam transbordando em mim. Pensei em desistir do passeio, mas já que estava lá, não poderia dizer não. Isso não se faz, é golpe baixo até com as criaturas que não prestam.

Chegamos à festa e vários drinks nos foram servidos, ele andava de um lado para outro tentando agradar ao máximo as duas mulheres que tinha, e ela fazia de tudo, chamava e provocava de várias maneiras, até conseguir me levar para o meio da pista, frente do palco, e desta maneira, uma vez que começássemos a dançar, nos tornaríamos o centro das atenções. Assim como desejava o dono da festa.

Com Kiss de trilha sonora não foi difícil se adaptar ao ambiente. Nós duas dançávamos, nosso menino bebia. Nossa dança envolvia olhares e quadris, beijos e abraços, risadas e jogadas de cabelo. Duas vadias numa cena ridícula pra uns e excitante pra outros. Objetivo concluído: Todos estavam nos olhando. As mulheres condenando nossa postura e os homens cumprimentando o cara que nos acompanhava “Você é sortudo pra caralho!” Ele admitia a sorte, mas de verdade achava aquilo tudo muito normal.

Assim que acabou a rodada de Kiss, estávamos os três rindo do tumulto, bebendo e comentando cada olhar que recebemos:

-Vocês duas ficam extremamente lindas dançando. Percebi vários mortais de olho, não consigo sentir ciúmes. Fiquei orgulhoso. Muito obrigado. – Disse sorrindo e nos abraçando o nosso paciente guardião.

Chamávamos os outros de mortais, porque quando estávamos juntos, subíamos naquela nuvenzinha que diferencia os seres terrenos dos sobrenaturais. Era algo mágico, nada era forçado. Os que se sentiam atraídos participavam da nossa cena com o propósito simples de rir de todos os outros que eram muito iguais. E muito chatos.

Aquela noite ainda não havia terminado, começou a farra de AC/ DC com suas músicas puramente sexuais e dançantes. Seguimos o proposto das melodias, até que chegou o dono da festa, que de longe nos observava:

- Vejo que está gostando da festa. Pensei que não viria… Perdeu o medo das exposições?

Passei a mão no cabelo, sorri e olhei bem pra ele, lembrando-se de nossa última conversa:

- Usar meus dois demônios favoritos para me trazer aqui é uma ótima maneira de me encorajar. E você caprichou na música hoje, meu amigo. Sinto-me parte da turma.

Meus dois e o Satã se olharam sorrindo ironicamente. Eu sempre fiz parte da turma, embora negasse e fugisse disso.

- Você é de um humor inexplicável, garota – Disse o diabo –A propósito, a próxima música é nossa. Eu, você e ela, dançaremos do meu jeito, pois estamos no salão de festas da minha casa. – E dirigindo-se ao nosso rapaz continuou falando - Querido aprendiz, sirva-se da bebida que quiser. Cuidou bem dessas mulheres, mas sabe que na verdade elas são minhas.

Nosso menino aceitou, e nos trocar por baldes e mais baldes de cerveja, não seria sacrifício nenhum.
 E então chegou a hora de dançar…

Era Dirty Deeds Done Dirt Cheap em som ensurdecedor. O Diabo no meio, com sua garrafa na mão, eu de um lado, possuída pela música, e ela do outro no ritmo infernal que aqueles riffs ecoavam.  Foram os momentos mais sensuais que tive naquele lugar, o povo que assistia à banda abriu espaço para nós, e nós nos esquecemos deles. Comportamo-nos como se fôssemos os únicos ali.

Ele tinha uma força surpreendente, não soltou nenhuma das duas em nenhum segundo, suas pausas eram apenas para tomar uns goles de cerveja e nos olhar fixamente. Conduziu a dança, conduziu nossos corpos e entrou em nossa aura. Entre beijos e solos de guitarra é permitido apenas se deixar levar. Não desejava mais nada e não queria que acabasse, era realmente surreal. Era diabolicamente surreal, e eu gostava disso…

É por ter gostado que eu digo, todos merecem uma festa no inferno, nem que seja ao menos uma vez. E nem é tão longe, o demônio costuma oferecer festas maravilhosas em qualquer lugar.


domingo, 19 de outubro de 2014

BATE PAPO COM SATANÁS: O INFERNO É UM LUGAR DE MUITOS

De vez em quando Satanás vem me visitar e bater um papo, essas visitas sempre rendem uns diálogos interessantes. Nos últimos tempos tem vindo com frequência, principalmente na hora em que eu levanto pra ir trabalhar. Ele gosta de conversar quando estou com sono, porque é um momento que não penso muito, e as chances de enrolá-lo são menores.Normalmente o diabo aparece depois das 23 horas, o prazo de validade para o meu discernimento em qualquer assunto. Depois desse horário o demo não diz nada, apenas sobe e fica sentado ao meu lado observando todas minhas ações. Depois esfrega na minha cara tudo, absolutamente tudo, que eu fiz durante o dia. A semana. À noite. A vida.

Em uma de suas aparições, não lembro se aconteceu mês passado ou retrasado, ou se foi ontem. Bom, não importa. Ele estava disposto a falar e quando isso acontece é melhor deixar que o demônio fale, pois, fugir dele nunca é uma boa ideia.

- Sei que está acordada. Vamos lá, senta aí que eu quero falar com você.

Detesto que falem comigo enquanto ainda estou deitada, olhei de lado, respirei fundo e disse:

- Porra, mas por que tão cedo? Já veio me atormentar?

-Qual é?! Eu nunca subo com a intenção de te irritar. É que tenho te observado e você está estranha. Mais do que o costume, mais do que os que você chama de amigos estão habituados a perceber e mais até do que sua família está acostumada a ter de você. E eu sei o que acontece, mas preciso te ouvir, e assim, poderei dar meu parecer. Aliás, você também não tem falado muito comigo, está religiosa? Efeito retardado daquela bibliada na cabeça?

- Olha só como você é. Você me conhece, sabe que eu odeio que me acordem, e odeio mais ainda ser analisada e… - Ele sentou do meu lado e me interrompeu com seu ar sarcástico de sempre: 

 - Você odeia ser analisada, porque não gosta de ouvir verdades, meu amor. Saber que não esconde nada de ninguém é o que te atormenta, não eu.

Olhei bem nos olhos dele, uns olhos de qualquer cor assustadora, que fitavam minha alma de jeito indescritível. Sorri, porque ele não estava mentindo, e continuei:

-Oras! Cale-se! Você disse que queria me ouvir primeiro e já começou a interromper. Pois bem, estou estranha, eu sei. Estou na minha e quieta, porque não gosto de exposições. Tenho medo delas.
  
Ficamos um tempo em silêncio, não sei exatamente por quantos minutos ou segundos, foi uma pausa longa. Ele continuou me olhando, acendeu um cigarro, deu uma tragada longa, sorriu ironicamente e estendeu a mão:

- Aceita?

- Sabe que não fumo. Pare de rodeios e diga logo o que quer, preciso dormir.

- Não fuma, mas deveria. Enfim, não vim aqui para discutir seus possíveis vícios… Não hoje. O que acontece, ma chérie, é que você adora exposições e o que te deixa estranha é a falta delas. Não hesite. Faça.

- Não tenho disposição para trocar as máscaras o tempo inteiro. Em alguns lugares não sinto vontade de enlouquecer. Algumas pessoas não me passam essa segurança, elas me apagam de certa forma. Também me falta coragem de abandoná-las. Me sobra medo. Com alguns, minha ousadia é completamente anulada.

Ele deu uma gargalhada, que se não fosse uma aparição intimista do diabo, teria acordado o prédio inteiro. Apagou o cigarro, passou a mão no cabelo, me deu um abraço, que gerou uma mistura de sensações e um beijo na testa. - Uma mania minha de demonstrar afeto, mas que feita por Satã, não significa mais do que “Sua tola” -  e disparou sem meias palavras:

- Você procura o tempo e o lugar certo para se livrar das máscaras, menina. Isso está completamente fora do que você é e do que transmite aos outros. A propósito, o que você quer? O que quer sentir? O que deseja transparecer? Qual o alvo a atingir?

-Não sei o que quero. Sinto-me perdida e não gosto disso. Estou cheia de incertezas e vontades. Anseio por atitudes melhores e doses mais fortes. Às vezes penso em encher um balde de merda e depois atirá-lo contra a cabeça de quem vive me tratando com essas frescuras, esses que vivem falando comigo cheios de formalidade e me contando histórias ruins... verdadeiramente não sei qual caminho seguir. Acho que quero pessoas com quem eu possa enlouquecer em paz.
   
Ele segurou minhas mãos de uma maneira firme, olhou profundamente nos meus olhos, fez uma longa respiração, e falou:

 - Eu entendo. Aliás, nós nos entendemos, pois, querendo ou não, somos exatamente iguais. Pessoas diferentes de nós jamais entenderão a maneira que enlouquecemos, eles não podem aceitar isso. Eles vivem de pouco. A gente sempre quer muito, vivemos nos excessos. A mediocridade desses pobres mortais nos minimiza. O tédio nos mata pouco a pouco. A mesmice, os assuntos torpes, os pratos pouco apimentados, os beijos que não queimam, as mãos e os olhares que não provocam. Tudo isso mata. Gente que tem o diabo na alma, que não teme os olhares conservadores, e peca puramente por não suportar uma vida mediana, não aguenta quem oferece pouco. É inadmissível rodear-se de seres angelicais, ter gestos idealizados e comportamentos perfeitos. São os seus demônios que trazem à tona suas melhores versões.

Eu não sabia o que responder, ele dizia a verdade. Apenas baixei o olhar e por alguns instantes, me despreocupei e pedi para que continuasse falando. E então continuou:

- Seus atos influenciam não só os outros, mas também a maneira que você se enxerga, garota. Modéstia nunca foi seu forte. Ter medo não faz parte do personagem que criou. Comigo, se sentir vontade, pode chorar e reclamar suas angústias. Eu quero todas as suas versões, conhecer todos os seus tons, me divertir com você, excitar a maioria de suas paixões, preparar seus drinques mais fortes e presenciar suas melhores noites. Me deixe ser outra parte sua. Aceite esse pacto, pare de se contentar com pouco.

Era estranho ter alguém me conhecendo melhor do que todos os outros. Eu tinha medo de estar com o demônio, mas não conseguia evitar sua presença. Satã oferecia algo diferente. Talvez fosse a aura e a força que exercia nos lugares em que estava. Seus olhares me dissecavam, era como se interpretasse o funcionamento de cada órgão meu. Eu tinha o corpo e alma nas mãos do diabo, e gostava disso.

- Contentar-se com pouco… É, acho que você está certo. Mas o que caralhos é muito nesse inferno?
  
Ele balançou a cabeça negativamente, como se debochasse da minha pergunta e lançou um sorriso sarcástico, ironizando a minha "inocência" de questionar o que era tão encantador no mundo das trevas:

- Você sabe o que é muito, mulher. E o inferno é um lugar cheio de muitos. O muito de todos está lá, por isso muita gente o teme. Encare-se no espelho. Reveja suas ações e por favor, não fuja do caos.

-Por favor, suma. É sério.

Ele sorriu novamente, passou as mãos em minhas coxas, me encarou, se levantou, e em vez de ir embora, resolveu aproximar-se de novo. Eu continuava sentada na cama tentando absorver tudo o que foi dito e calculando as horas de sono que ainda me restavam. Ali bem próximo, com a respiração sincronizada à minha, o demo ficou encarando todo meu universo, parece até que lia o que eu estava pensando, era como se pudesse contar cada poro de minha pele. Eu também o encarei, e dessa vez sem medo dos arrepios que nossas conversas me causavam. Ao mesmo tempo, nós dois lançamos um sorriso satânico e finalmente pude compreender as propostas que havia me feito. Com isso, aceitei seu pacto de pronto, assinei os termos diabólicos com a alma e não havia mais motivos para fugir.

Fui absorvida por uma coragem insana, que durou até a hora em que acordei. Ela se foi assim que entrei no segundo ônibus amarguramente lotado, às 07h20 da manhã, pra trabalhar no outro canto da cidade. Então, puta da vida, pensei “Típico do demônio me oferecer um pacto que anula as mediocridades e causos sem sal do mundo e depois me jogar violentamente nessa realidade tediosa… Maldito! ”.